Chá de Marcela

A marcela, planta nativa do Brasil é também conhecida como carrapichinho-de-agulha e camomila nacional, chá-de-lagoa, losna-do-mato, macela-amarela, marcelinha, marcela-da-terra, marcela-do-campo e macela-do-sertão, entre outros. Trata-se de um arbusto perene que pode chegar a um metro de altura, com flores amarelas e folhas finas. A coloração das folhas permite que a planta se destaque entre outras, por conta da tonalidade verde claro acinzentada.

Comumente encontrada em beiras de estradas e pastagens, embora considerada como uma erva daninha por agricultores, a marcela é utilizada não só no Brasil mas em toda a América do Sul, no preparo de chás e remédios caseiros.

Pode ser cultivada em casa, em jardins ou vasos grandes. A planta gosta de bastante luminosidade e umidade. O plantio é feito por estaquia, ou seja, um galho pequeno da planta. Deve-se cortar os ramos e retirar as folhas da base. Depois é só colocar metade do galho dentro da terra, deixando a outra metade para fora.

A terra deve ser adubada, misturando-se uma parte de adubo, duas partes de terra e uma parte de areia, ou apenas terra vegetal e adubo. Floresce geralmente no outono e tradicionalmente é colhida na semana santa em algumas localidades.

Flor de marcela

A planta é utilizada na indústria cosmética seus princípios ativos são utilizados na fabricação de shampoos e clareadores para cabelos, sendo o principal componente em produtos para cabelos claros.

Na medicina popular, a marcela é muto empregada no tratamento auxiliar de várias doenças, principalmente na região sul do País.

Em alguns estados, é comum encontrar travesseiros feitos com flores secas de marcela, principalmente para crianças e bebês, pois acredita-se de o cheiro da planta por si só, atua como calmante, auxiliando o sono e diminuindo a agitação excessiva que acomete algumas crianças.

Principais propriedades medicinais da marcela

marcela - planta medicinal

marcela

  • Calmante
  • ansiolítica
  • clareadora
  • reguladora do ciclo menstrual
  • antidiarréica
  • digestiva
  • antirreumática
  • diurética
  • hipoglicemiante
  • antiespasmódica
  • analgésica
  • emenagoga
  • sedativa

Por conta de suas propriedades terapêuticas, a flor de marcela é indicada pela medicina popular para o tratamento auxiliar de contrações musculares bruscas, gastrite, impotência, protetor solar, inapetência, lavar feridas e úlceras, epilepsias, nervosismo, reumatismo, diabetes, diarreias, clarear cabelos, inflamação, contusões, inflamação, espasmos, febre, disfunções gástricas e digestivas, estimulante da circulação capilar, perturbações gástricas,dor de cabeça, dor de estômago, suores fétidos nos pés, cálculo biliar, disenteria, cefalalgias, azia, desordens menstruais, queda de cabelos, resfriado, retenção de líquidos, má digestão, pele e cabelos delicados e cólicas intestinais.

As flores podem ser encontradas facilmente em campos ou beira de estradas ou cultivadas em jardins e pequenos espaços. Existe ainda a opção de adquirir as flores de marcela secas em casas de produtos naturais, mercados, farmácias e outras lojas do ramo. Anote a receita:

Chá de marcela

  • 10 g de flores de marcela (frescas ou secas)
  • 1 litros de água filtrada ou mineral

Modo de preparo: Leve a água ao fogo até levantar fervura. Desligue assim que a água levantar fervura. Acrescente as flores de marcela, e tampe o recipiente.
Deixe descansar até que o líquido esteja morno. Coe e consuma a seguir.

O adição de açúcar não é proibida, exceto no caso de diabéticos, mas também não é recomendada. O ideal é que o açúcar branco ou refinado seja substituído por açúcar mascavo ou mel, que são menos prejudicais à saúde.

Cuidados e Contraindicações

Algumas pessoas são alérgicas aos componentes da marcela, portanto, a ingestão em doses bem pequenas para testes, é recomendada para quem nunca fez uso da planta anteriormente.

Diabéticos, podem consumir o chá, porém com muito cuidado e obviamente, com o conhecimento e consentimento de um médico. Pessoas sob efeito de analgésicos, sedativos e barbitúricos ou em tratamento quimioterápico devem evitar o chá de marcela.

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *